-10%

Emigrantes

16,99 15,29

Categoria: Etiqueta:
isbn

9789896231712

authors

Ferreira de Castro

authors_json

[{"id":8692,"name":"Ferreira de Castro","permalink":"ferreira-de-castro","image":"personas/May2019/7YFSy5X8eRR5HfLSLBmc.jpg","description":"<p style="text-align: justify;"><span>José Maria <strong>Ferreira de Castro</strong> (1898 – 1974) é uma das figuras cimeiras da literatura portuguesa. Publica, em 1928, o romance <em>Emigrantes</em> e <em>A Selva</em> em 1930, acompanhados de estrondoso êxito internacional, onde a literatura portuguesa pouca expressão tinha. Seguir-se-á, a um ritmo regular, a publicação de outros romances: <em>Eternidade</em> (1933), <em>Terra Fria</em> (1934), <em>A Tempestade</em> (1940), <em>A Lã e a Neve</em> (1947). No período imediato ao pós-guerra, Ferreira de Castro torna-se um dos autores mais lidos em Portugal e no estrangeiro. </span></p>n<p style="text-align: justify;"><span>Nos anos cinquenta publica o romance <em>A Curva da Estrada</em> e, entre outras obras, a famosa novela <em>A Missão</em>. De 1968 data o romance <em>O Instinto Supremo</em>, onde o autor regressa, quase quatro décadas depois de <em>A Selva</em>, ficcionalmente à selva amazónica. Ferreira de Castro foi, diversas vezes, proposto para o Prémio Nobel e, outras tantas, recusou sê-lo, em prol de outros escritores portugueses.</span></p>","gender":"M"}]

edition_number

1

publish_date

julho 2013

number_of_pages

272

cover_type
dimensions

150 X 225

garanteed_price
pdf_file_name
Promoção Atual

-10%

Descrição

Seguido de «Pequena História de Emigrantes»

«Em todas as aldeias próximas, em todas as freguesias das redondezas, havia o mesmo anseio de emigrar, de ir em busca de riqueza a continentes longínquos. Era um sonho denso, uma ambição profunda que cavava nas almas, desde a infância à velhice. O oiro do Brasil fazia parte da tradição e tinha o prestígio duma lenda entre os espíritos rudes e simples. Viam-no reflorir nas igrejas, nos palacetes, nas escolas, nas pontes e nas estradas novas que os homens enriquecidos na outra margem do Atlântico mandavam executar. (…)»

«A sua obra fecha um ciclo que a Peregrinação do Fernão Mendes Pinto abrira. E inicia outro que os nossos filhos verão cumprir-se. Ao optimismo expansivo do Mendes Pinto, os Emigrantes opuseram a reflexão pungente que a abordagem do real hoje suscita. À ascensão, a depressão. Aos damascos opulentos, a lã ancestral dos tosquiadores de Viriato.» Mário Sacramento

«Emigrantes é o relato veemente de uma viagem existencial de ida e volta, que desagua no coração das trevas, que um sol negro ilumina, e onde o sonho mirra e a vida seca. » Eugénio Lisboa

«Criador revolucionário na história das nossas letras, Ferreira de Castro trouxe-lhe o pulsar vivo de um povo, trouxe-lhe emigrantes vivos, camponeses vivos, políticos vivos, «tabaréus» vivos, lágrimas vivas, gargalhadas vivas, e até, pela primeira vez, operários vivos de uma classe viva.» José Carlos Vasconcelos .

Informação adicional

isbn

9789896231712

authors

Ferreira de Castro

authors_json

[{"id":8692,"name":"Ferreira de Castro","permalink":"ferreira-de-castro","image":"personas/May2019/7YFSy5X8eRR5HfLSLBmc.jpg","description":"<p style="text-align: justify;"><span>José Maria <strong>Ferreira de Castro</strong> (1898 – 1974) é uma das figuras cimeiras da literatura portuguesa. Publica, em 1928, o romance <em>Emigrantes</em> e <em>A Selva</em> em 1930, acompanhados de estrondoso êxito internacional, onde a literatura portuguesa pouca expressão tinha. Seguir-se-á, a um ritmo regular, a publicação de outros romances: <em>Eternidade</em> (1933), <em>Terra Fria</em> (1934), <em>A Tempestade</em> (1940), <em>A Lã e a Neve</em> (1947). No período imediato ao pós-guerra, Ferreira de Castro torna-se um dos autores mais lidos em Portugal e no estrangeiro. </span></p>n<p style="text-align: justify;"><span>Nos anos cinquenta publica o romance <em>A Curva da Estrada</em> e, entre outras obras, a famosa novela <em>A Missão</em>. De 1968 data o romance <em>O Instinto Supremo</em>, onde o autor regressa, quase quatro décadas depois de <em>A Selva</em>, ficcionalmente à selva amazónica. Ferreira de Castro foi, diversas vezes, proposto para o Prémio Nobel e, outras tantas, recusou sê-lo, em prol de outros escritores portugueses.</span></p>","gender":"M"}]

edition_number

1

publish_date

julho 2013

number_of_pages

272

cover_type
dimensions

150 X 225

garanteed_price
pdf_file_name
Promoção Atual

-10%